Seu navegador não suporta ou está com o JavaScrip desabilitado, por conta disso, pode ocorrer falhas nesse site.
Como fazer o inventário em casos de abandono de lar

Desde o início da pandemia, em março de 2020, o Brasil já registrou mais de 440 mil óbitos. Com o aumento significativo de mortes por conta da Covid-19 aumentaram também os pedidos de inventário. 

LEIA MAIS:
Quem abandona o lar perde o direito à pensão alimentícia?
Perco a guarda dos meus filhos se eu abandonar meu lar?
Entenda a divisão de pensão por morte em caso de duas uniões estáveis

Segundo informações do Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo (CNB/SP) divulgadas em novembro de 2020, só no ano passado houve um aumento de 47% na comparação dos processos entre os meses de março e setembro no Estado.  

E qual é a relação das mortes por Covid-19 com o aumento de processos de inventário? Quando uma pessoa morre sem registrar em vida para quem deve ficar os seus bens, isso só pode ser feito por meio do inventário.  

É com o inventário que a família realiza o levantamento de todos os bens (imóveis, posses, aplicações financeiras etc) do falecido e formaliza a divisão e a transferência do patrimônio aos herdeiros.  Pela legislação brasileira, este processo deve ser feito em até 60 dias após o óbito. Quando a família não cumpre este prazo, deve pagar uma multa sobre o imposto de transmissão.  

E se o falecido abandonou seu lar antes de morrer? Quais são os direitos dos herdeiros? Antes de explicar quais são estes direitos é preciso entender exatamente o que é o abandono de lar.  

Monteiro & Valente - Advogados em Jundiaí e Região - Como fazer o inventário em casos de abandono de lar

ENTENDA O ABANDONO DE LAR 

Pela legislação brasileira, o abandono de lar ocorre quando um dos cônjuges se afasta da casa onde vive e por um prazo mínimo de um ano contínuo e sem a intenção de voltar. 

Mesmo quando uma das partes abandona o lar, ela não sofre sanções jurídicas e não perde os seus direitos. A regra vale, inclusive, para os processos de inventário e partilha de bens, desde que o casamento seja formalizado legalmente ou então as partes viviam em união estável.  

Se a pessoa que abandonou o lar estiver desaparecida há mais de dois anos, a família consegue declarar na justiça que esta pessoa faleceu e, com isso, os herdeiros têm direito aos bens deixados.  

Monteiro & Valente - Advogados em Jundiaí e Região - Como fazer o inventário em casos de abandono de lar

COMO FICA A PARTILHA EM CASOS DE ABANDONO DE LAR 

Conforme já falamos, a pessoa não perde os seus direitos jurídicos quando abandona o lar. Assim como ocorre em outras situações, o mais comum é o cônjuge sobrevivente ou os filhos abrirem o processo de inventário para formalizar a transferência dos bens. 

Após a finalização do processo do inventário, os bens do falecido que abandonou o lar são transferidos para os herdeiros conforme o direito das sucessões. A justiça leva em consideração os descendentes (filhos, netos, bisnetos), o meeiro (companheiro/a ou esposo/a da pessoa falecida), os herdeiros ascendentes (pais, avós e bisavós) ou os herdeiros colaterais. É importante observar que se a pessoa falecida não tiver nenhum destes parentes, os bens vão para o Estado. 

Monteiro & Valente - Advogados em Jundiaí e Região - Como fazer o inventário em casos de abandono de lar

QUAIS SÃO AS FORMAS DE FAZER O INVENTÁRIO? 

O inventário da pessoa que abandonou o lar pode ser feito pela via judicial, ou seja, com o acompanhamento de um juiz.  Cada herdeiro deve contratar o seu advogado colocando os seus motivos e cabe ao juiz definir o que é certo e o que não é. 

O processo do inventário sempre gera muitas dúvidas entre os familiares do falecido, principalmente em relação aos direitos dos herdeiros. Por isso, antes de iniciar qualquer processo, é importante procurar a orientação de um advogado especialista nesta área. 

FacebookInstagram

Mais Notícias

Como liberar seu filho menor d... 22 de agosto

Julho é mês de férias escolares. Quem está planejando a viagem dos filhos, precisa se informar antes de embarcar...

Mais da metade dos trabalhador... 22 de agosto

Segundo levantamento do maior portal de carreiras do país, VAGAS.com, 52% dos trabalhadores brasileiros já enfrentou situações de assédio...

Entendendo a contratação de ... 22 de agosto

Com o objetivo de diminuir as despesas em até 55%, algumas empresas estão optando por contratar funcionários terceirizados. Essa...